Por que você não se ama? Conheça as raízes da baixa autoestima

Preciso te contar uma coisa que provavelmente ninguém te contou até hoje.⁣

A baixa autoestima não está na falta de amor-próprio, mas na presença do “ódio-próprio”. ⁣

Existe diferença entre não ter amor próprio e ter desgosto por si mesmo.⁣

Vou tentar explicar de outra forma. Você não ama João. Ok, nada de ruim nisso. Você terá problemas na relação com João caso você o odeie. Entendeu?⁣

Agora outro ponto importante.⁣

Você não nasce se amando ou se odiando. Os afetos e desafetos por si mesmo foram aprendidos.⁣

Onde quero chegar: você não nasceu desgostando de si mesmo, você aprendeu que você não é digno de amor; aprendeu com alguém, nas relações com pessoas. Aprendemos a nos amar e desamar com os nossos pais ou cuidadores, pra ser preciso.⁣


Estude Psicologia e Aplique 100% em Sua Vida

Conheça nosso curso PSICOLOGIA: Descobrindo a Mente Humana

Relações sadias entre pais e bebês são empáticas, tranquilas e permeadas por uma liberdade cuidadora. Essa relação faz registros no inconsciente da criança: “eu sou amado”, “eu sou importante”, “sou digno de obter o que preciso”.⁣

Nas relações neuróticas, há ruídos mentais na mente de quem cuida causando dificuldades na leitura das necessidades da criança, criam um ambiente psicológico inseguro e quando a criança desbrava o mundo uma “nuvem de perigo” a segue pelo de excesso de privações (nada pode) ou permissividade total (não há limites). Nesse caso o registro é “eu não tenho valor”, “não mereço ser amado”, “não sou digno de atenção”, “sou inseguro”, “ninguém gosta de mim”.⁣


Seja atendido por um especialista em autoestima e saúde emocional, marque agora uma consulta e seja atendido de onde você estiver

Em resumo, aprendemos a nos amar ou desamar através de como nos tratam.⁣

Temos medo de abandono, rejeição e estamos sempre preocupados com o que pensam de nós. Tudo gira em torno de “preciso que gostem de mim” e “se eu não for amado, será o fim”.⁣

---⁣

Pra modificar esses desafetos e conceitos enraizados é preciso coragem, terapia e mudança na vida prática.⁣

O ponto chave da mudança do ódio-próprio está em, na prática, parar de se odiar. A mudança começa em não cometer autoviolência, muito mais do que ter atos de amor-próprio. Os “não” às inclinações negativas aliados ao trabalho interno geram mudanças positivas, verdadeiras e irreversíveis.⁣

Pra que o amor-próprio surja é preciso parar de se odiar.⁣

Reflita.⁣ Reconfigure os conceitos que você tem de si mesmo, ame-se mais na prática e busque auxílio na psicologia e na terapia.


Sou Ivan e agradeço.


Este conteúdo foi útil a você?

Compartilhe em suas redes sociais e nos ajude a levar o autoconhecimentos a todos!


Baixe o livro GRATUITO

10 COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE AUTOCONHECIMENTO E PSICOLOGIA

178 visualizações

Ivan Oliveira Pielke CRP 07/23307